Imprimir

Lição 2 - Adultos - 1º Trimestre de 2014

Tamanho da fonte:
Lições Adultos Discipulado

Lição 2 - Discipulado por meio de metáforas
4 a 11 de janeiro

Lição 2 - 1º Trimestre de 2014


Sábado à tarde

Ano Bíblico: Gn 12-15


VERSO PARA MEMORIZAR:
"Todas estas coisas disse Jesus às multidões por parábolas e sem parábolas nada lhes dizia; para que se cumprisse o que foi dito por intermédio do profeta: Abrirei em parábolas a Minha boca; publicarei coisas ocultas desde a criação do mundo" (Mt 13:34, 35).

Leituras da Semana:
2Sm 12:1-7; Is 28:24-28; Mt 7:24-27; 13:1-30; Lc 20:9-19
O cristianismo é razoável e tem lógica. O intelecto deve ser cultivado. No entanto, o intelecto sozinho expressa de modo insuficiente toda a personalidade humana. Ao contrário dos robôs, que são programados para processar a razão e a lógica, os seres humanos são capazes de amar, sentir, sofrer, chorar, preocupar-­se, rir e imaginar. Por isso, Jesus ajustou as verdades eternas de uma forma que ia além do mero intelecto. Ele falou por intermédio de figuras concretas extraídas da vida cotidiana, a fim de alcançar as pessoas onde elas estavam. Crianças e adultos podiam entender verdades profundas transmitidas por meio de parábolas envoltas em imagens e metáforas.
Enquanto isso, conceitos complexos como justificação, justiça e santificação eram facilmente compreendidos mediante a arte do Mestre contador de histórias. Em outras palavras, conceitos que muitas vezes são difíceis de entender na linguagem comum podem ser ensinados com o auxílio de símbolos e metáforas.

 

Topo



Domingo

Ano Bíblico: Gn 16-19


Exemplos do Antigo Testamento

 

1. Leia 2 Samuel 12:1-7; Isaías 28:24-28; Jeremias 13:12-14 e Ezequiel 15:1-7. Como essas parábolas e alegorias ampliam nossa compreensão do relacionamento entre Deus e a humanidade? Quais objetos ou cenários utilizados por esses profetas aparecem depois nas parábolas de Cristo?
Natã contou uma parábola a fim de disfarçar o verdadeiro propósito de sua visita. Ao condenar o homem rico da parábola, Davi implicou a si mesmo na transgressão, pronunciando assim a própria sentença. Usando um artifício literário (uma parábola), Natã alcançou algo que de outra forma poderia ter produzido confronto e, talvez, até mesmo sua execução!
A história poética de Isaías provém do ambiente agrícola familiar aos seus ouvintes. Séculos mais tarde, Jesus empregaria esses mesmos cenários. A parábola de Isaías ensina sobre a misericórdia ilimitada de Deus nos tempos de punição. O capítulo 12 de Hebreus também apresenta o castigo de Deus como instrumento para a correção e não como arma para vingança. Castigos divinos refletiam Seus propósitos redentores. Eles eram suficientes para encorajar o arrependimento, reavivamento e reforma. No entanto, quando ocorria teimosia e rebelião mais amplas, havia punições maiores.
A parábola de Jeremias é uma terrível ilustração do julgamento. Sempre que os seres humanos frustram o propósito redentor de Deus, Ele finalmente os entrega às consequências de suas escolhas. Cristo também compartilhou com Seus ouvintes parábolas sobre o julgamento. Ezequiel usou um símbolo diferente para transmitir uma mensagem similar.
Por que contar histórias é uma forma tão poderosa de expressar a verdade? Quais são suas histórias favoritas, e por que você gosta delas? Comente com a classe.

 

Topo


Segunda

Ano Bíblico: Gn 20-22


Sabedoria arquitetônica

 

2. Leia Mateus 7:24-27. Qual é a contribuição desses versos para nossa compreensão do discipulado cristão? Por que Jesus usou esse exemplo da natureza para ensinar uma verdade tão importante?
As modernas sociedades alfabetizadas consideram a alfabetização algo garantido. No entanto, ainda hoje, existem muitas sociedades não alfabetizadas. Ao longo da história antiga, a alfabetização foi exceção e não regra. As classes dominantes, os especialistas literários (escribas), obtinham poder por meio da habilidade de leitura. Por isso, Jesus adaptou Suas mensagens dentro de formas que as pessoas comuns e iletradas conseguissem entender (obviamente, os ouvintes alfabetizados também poderiam compreendê-las).
Antes da invenção da imprensa por Gutenberg, os escritos eram feitos à mão, um processo demorado. Relativamente poucos podiam adquirir esses materiais valiosos. Portanto, a comunicação oral, mediante lendas, parábolas e recursos semelhantes tornou-se o padrão para a transmissão de informações.
Deus oferece salvação a toda a humanidade. Seria surpreendente que Cristo usasse formas de comunicação que alcançassem o maior número de pessoas? A tradição oral, transmitida de geração em geração mediante histórias simples, tornou-se o meio de propagação do pensamento redentor.
3. Leia Lucas 14:27-33. Que lições podemos aprender com essas histórias? Como essas metáforas ajudam na compreensão do discipulado?
Edificação envolve preparação. As estimativas de custo são elaboradas muito antes do começo da efetiva construção. O discipulado também requer preparação. Milagres de multiplicação de alimentos, curas espetaculares e o aparente sucesso poderiam levar os discípulos em potencial a supor que seguir a Jesus fosse fácil. Entretanto, Jesus incentivou Seus ouvintes a estudar o quadro completo. Sacrifício pessoal, sofrimento, humilhação e rejeição constituíam custos consideráveis. Observe mais uma vez que Jesus escolheu transmitir essa mensagem usando a linguagem metafórica, embora pudesse ter oferecido uma lista de desvantagens específicas que os discípulos poderiam encontrar.

 

Topo


Terça

Ano Bíblico: Gn 23-25


Analogias agrícolas

 

4. Leia Mateus 13:1-30. O que Jesus estava ensinando aos Seus ouvintes sobre o discipulado? Que lições os cristãos podem obter dessas metáforas?
A parábola do semeador é familiar a muitos leitores. O cenário da história era comum para uma sociedade agrária. Os ouvintes de Jesus poderiam facilmente se relacionar com esse ambiente. A conexão com o discipulado é óbvia. Essencialmente, Jesus estava desafiando Seus ouvintes a avaliar sua posição como discípulos. Em lugar de confrontar cada indivíduo especificamente, Ele falava por parábolas, convidando os discípulos a confrontar a si mesmos. Olhando no espelho de seu coração, eles podiam avaliar suas tendências materialistas, rever seu nível de perseverança, analisar seu envolvimento com o mundo e escolher o estilo de vida do resoluto discipulado.
Ao mesmo tempo, o verdadeiro discipulado deixa o julgamento (condenação) nas mãos do Mestre, em lugar de deixá-lo nas mãos dos discípulos. O discernimento humano é incompleto e seu conhecimento é parcial. Só Deus possui entendimento impecável. Jesus adverte igualmente sobre a infiltração satânica. Os discípulos não podem entregar seu julgamento (discernimento) a outros professos cristãos porque estes podem ser ervas daninhas, não trigo. Ambos crescem juntos até a época da colheita.
"No ensino de Cristo por parábolas, é manifesto o mesmo princípio de Sua própria missão ao mundo. Para que pudéssemos familiarizar-nos com Sua vida e caráter divinos, Cristo tomou nossa natureza e habitou entre nós. A divindade foi revelada na humanidade; a glória invisível, na visível forma humana. Os homens podiam aprender do desconhecido pelo conhecido; coisas celestiais foram reveladas pelas terrenas" (Ellen G. White, Parábolas de Jesus, p. 17).
Na parábola do semeador, Jesus falou sobre a "fascinação da riqueza". Como as "riquezas" podem enganar até mesmo os que não as possuem?

 

Topo


Quarta

Ano Bíblico: Gn 26, 27


A guerra do Revolucionário

 

O ministério de Cristo foi revolucionário, mas sem as armas comuns. Seus instrumentos eram infinitamente mais poderosos do que espadas ou facas. Palavras que transformavam a vida, muitas vezes expressas por meio de parábolas e metáforas, eram Suas armas "não tão secretas" na luta contra o mal.
As táticas e estratégias de Cristo surpreenderam muitos dirigentes. Eles não estavam preparados para enfrentar o poder de Sua influência sobre as multidões. Muitas de Suas parábolas continham mensagens que trabalhavam contra os líderes. Com razão, os líderes religiosos viram que sua influência seria em grande parte reduzida sempre que a mensagem de Cristo entrasse no coração das pessoas.
5. Leia Mateus 21:28-32 e Lucas 14:16-24; 20:9-19. Quais são as lições dessas parábolas? Embora as parábolas fossem frequentemente dirigidas a pessoas específicas, que princípios se aplicam a nós?
"A parábola da vinha não se aplica somente à nação judaica. Ela tem uma lição para nós. À igreja desta geração Deus concedeu grandes privilégios e bênçãos, e espera os frutos correspondentes" (Ellen G. White, Parábolas de Jesus, p. 296).
Sem dúvida, temos sido muito abençoados pelo Senhor: Ele nos redimiu pelo sangue de Cristo, prometeu salvação com base em Sua justiça, deu-nos a certeza da vida eterna e nos concedeu o Espírito Santo. Deus nos deu muitas bênçãos. No entanto, é fácil esquecer as coisas que temos, considerá-las algo garantido ou até mesmo ridicularizá-las. Como os lavradores da parábola, podemos até não perceber as implicações do que estamos fazendo. No fim, a ignorância deles não os desculpou no dia do julgamento. Da mesma forma, a ignorância não nos servirá como desculpa.
Quantas vezes você já se enganou a respeito de sua situação espiritual? O que você aprendeu com essas experiências, que pode ajudá-lo a evitar os mesmos erros novamente?

 

Topo


Quinta

Ano Bíblico: Gn 28-30


A herança criativa de Cristo

 

Após a conclusão do registro do ministério de Cristo, a narração de parábolas parece ter desaparecido das Escrituras. O que explica esse fenômeno? Certamente, o maior segmento do restante do Novo Testamento está centralizado em Paulo. Quatorze livros do Novo Testamento foram atribuídos a Paulo, e quase a metade da narrativa histórica de Lucas no livro de Atos também está voltada quase que exclusivamente para Paulo. Embora ele não use histórias da mesma forma que Jesus usou, Paulo ainda fez considerável uso de metáforas, comparações e outros recursos criativos (Rm 7:1-6; 1Co 3:10-15; 2Co 5:1-10). Embora Paulo não fosse um contador de histórias, suas apresentações não eram tediosas nem insípidas. Obviamente, existiam diferenças de estilo entre o discurso público de Cristo e o de Paulo, mas ambos revelaram considerável criatividade de expressão.
Outros escritores do Novo Testamento demonstram até certo ponto maior afinidade com o uso das parábolas. Tiago, irmão de Jesus, escreveu: "Suponham que na reunião de vocês entre um homem com anel de ouro" (Tg 2:2, NVI), para começar uma lição narrativa. No entanto, nem o irmão de Cristo nem qualquer outro discípulo utilizaram histórias de maneira tão extensiva quanto Cristo. Todavia, comparação e simbolismo são comuns. "O rico passará como a flor do campo" (Tg 1:10, NVI). "Tomem também como exemplo os navios" (Tg 3:4, NVI). A visão de Pedro (At 10) assumiu a forma simbólica. Narrativas simbólicas formam porções significativas do livro do Apocalipse. "Quando o dragão foi lançado à Terra, começou a perseguir a mulher" (Ap 12:13, NVI).
6. Escolha duas passagens entre os textos a seguir e identifique as metáforas em cada um deles. Quais são as mensagens contidas nesses versos? Que figuras são utilizadas para transmitir a mensagem? At 10:9-16; Tg 3:3-12; Ap 12:7-17; 18:9-20; 19:11-16
Seja qual for a forma de expressão, o princípio permanece o mesmo: metáforas, símiles, parábolas, alegorias e outros exemplos de linguagem criativa nos permitem a comunicação de modo compreensível. Com base nas experiências do ouvinte, Cristo e Seus discípulos usaram comparações e ilustrações que estimulavam a compreensão da verdade. Quando for apropriado, não devemos ter medo de fazer o mesmo.

 

Topo


Sexta

Ano Bíblico: Gn 31-33


Estudo adicional

 

Leia, de Ellen G. White, Parábolas de Jesus, p. 17-27: "O Ensino Mais Eficaz".
"Jesus desejava despertar a indagação. Procurou despertar os indiferentes e impressionar-lhes o coração com a verdade. O ensino por parábolas era popular e atraía o respeito e a atenção, não só dos judeus, mas também dos de outras nações. […]
"Cristo tinha verdades para apresentar, as quais o povo não estava preparado para aceitar nem compreender. Por esse motivo também, Ele lhes ensinava por parábolas. […] Posteriormente, ao olharem os objetos que Lhe haviam ilustrado os ensinos, as pessoas se lembrariam das palavras do divino Mestre. […]
"Jesus procurava um caminho para cada coração. Usando uma variedade de ilustrações, não só expunha a verdade em Seus diversos aspectos, mas apelava também para os diferentes ouvintes" (Ellen G. White, Parábolas de Jesus, p. 20, 21).
Perguntas para reflexão
1. Peça que alguns alunos mencionem sua história bíblica favorita. Que lições eles aprenderam com essas histórias?
2. Jesus usou figuras de coisas com as quais Seus ouvintes estavam familiarizados. Que exemplos da cultura atual ajudam a transmitir verdades espirituais?
3. Embora Jesus usasse metáforas principalmente do ambiente agrícola, grande parte do cristianismo primitivo era urbano. Que imagens "urbanas" podem ser encontradas no Novo Testamento?
4. Quais são os elementos de uma boa história? Como eles funcionam? Como podemos aprender a usar esses elementos em nosso testemunho?
5. Leia Lucas 16:19-31. Que tipo de história Jesus usou ali? Que lições podemos tirar dela sobre o uso da ficção na transmissão de mensagens espirituais?
Respostas sugestivas: 1. Deus usou a parábola de Natã para inspirar o arrependimento no coração de Davi; Isaías mostrou que Deus usa o castigo necessário para cultivar o coração de Seu povo, com o propósito de salvar; Jeremias mostrou que todos beberão do cálice da ira divina; Ezequiel mostrou que a madeira da videira (Israel) não era melhor do que nenhuma outra árvore. O amor de Deus era o que a tornava especial, mas ela seria destruída por causa do pecado. 2. Mostram que o discipulado é um processo contínuo que une teoria e prática. Jesus usou uma ilustração prática que todos poderiam compreender e experimentar na prática. 3. Precisamos calcular o custo do discipulado, carregar a cruz, renunciar ao próprio egoísmo e servir a Jesus; se não renunciarmos a todas as coisas do mundo, nossa vida será como uma torre inacabada ou como um exército derrotado. 4. A beira do caminho representa o coração insensível, que ouve, mas não compreende nem persevera; as rochas são os problemas que destroem o discípulo superficial; os espinhos são os prazeres do pecado, que sufocam o crescimento espiritual; a boa terra é o discípulo que ouve, compreende e frutifica. O joio é semeado por Satanás. Para vencer é preciso ter ouvidos para ouvir o Espírito Santo. 5. É mais fácil haver arrependimento no pecador declarado do que nos religiosos hipócritas; o dinheiro e os relacionamentos impedem muitos de aceitar o convite do evangelho; os pobres e necessitados aceitam com mais facilidade a salvação porque essa é sua única esperança; alguns indecisos precisam ser arrastados para não perder a oportunidade; os profetas e Jesus foram rejeitados pelos líderes judeus, simbolizados pelos lavradores. 6. Atos 10:9-16: Deus mandou que Pedro comesse carnes imundas, que representavam os gentios, que deviam ser aceitos na igreja. Tiago 3:3-12: O freio controla o cavalo, o leme conduz o navio, a centelha incendeia a floresta: todos simbolizam o poder que a língua tem para arruinar a vida humana; a única esperança é submetê-la ao domínio do Espírito Santo. Sugestão: divida a classe em duplas e indique a cada dupla duas passagens, incluindo os textos do Apocalipse.

 

Topo