Header Ministério da Saúde

Ministério da Saúde

Febre Amarela

Febre Amarela: transmissão, sintomas, prevenção e locais para vacinação

A febre amarela é uma doença infecciosa grave, causada por vírus e transmitida por vetores. Geralmente, quem contrai este vírus não chega a apresentar sintomas ou os mesmos são muito fracos. As primeiras manifestações da doença são repentinas: febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos por cerca de três dias. A forma mais grave da doença é rara e costuma aparecer após um breve período de bem-estar (até dois dias), quando podem ocorrer insuficiências hepática e renal, icterícia (olhos e pele amarelados), manifestações hemorrágicas e cansaço intenso. A maioria dos infectados se recupera bem e adquire imunização permanente contra a febre amarela.

Transmissão

A febre amarela ocorre nas Américas do Sul e Central, além de em alguns países da África e é transmitida por mosquitos em áreas urbanas ou silvestres. Sua manifestação é idêntica em ambos os casos de transmissão, pois o vírus e a evolução clínica são os mesmos - a diferença está apenas nos transmissores. No ciclo silvestre, em áreas florestais, o vetor da febre amarela é principalmente o mosquito Haemagogus. Já no meio urbano, a transmissão se dá através do mosquito Aedes aegypti (o mesmo da dengue). A infecção acontece quando uma pessoa que nunca tenha contraído a febre amarela ou tomado a vacina contra ela circula em áreas florestais e é picada por um mosquito infectado. Ao contrair a doença, a pessoa pode se tornar fonte de infecção para o Aedes aegypti no meio urbano. Além do homem, a infecção pelo vírus também pode acometer outros vertebrados. Os macacos podem desenvolver a febre amarela silvestre de forma inaparente, mas ter a quantidade de vírus suficiente para infectar mosquitos. Uma pessoa não transmite a doença diretamente para outra.

Ciclo e Sintomas

Confira na imagem abaixo como o ciclo da infecção acontece, e os sintomas.

Foto: g1.globo.com (Clique na imagem para ampliar)

Prevenção

Como a transmissão urbana da febre amarela só é possível através da picada de mosquitos Aedes aegypti, a prevenção da doença deve ser feita evitando sua disseminação. Os mosquitos criam-se na água e proliferam-se dentro dos domicílios e suas adjacências. Qualquer recipiente como caixas d'água, latas e pneus contendo água limpa são ambientes ideais para que a fêmea do mosquito ponha seus ovos, de onde nascerão larvas que, após desenvolverem-se na água, se tornarão novos mosquitos. Portanto, deve-se evitar o acúmulo de água parada em recipientes destampados. Para eliminar o mosquito adulto, em caso de epidemia de dengue ou febre amarela, deve-se fazer a aplicação de inseticida através do "fumacê”. Além disso, devem ser tomadas medidas de proteção individual, como a vacinação contra a febre amarela, especialmente para aqueles que moram ou vão viajar para áreas com indícios da doença. Outras medidas preventivas são o uso de repelente de insetos, mosquiteiros e roupas que cubram todo o corpo.

A população de e São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia receberá a dose fracionada da vacina de febre amarela. A meta é vacinar 95% de 19,7 milhões. O objetivo é evitar a circulação e expansão do vírus. A dose padrão da vacina continuará sendo administrada em alguns grupos conforme a tabela abaixo.

Clique na imagem para ampliar

Locais para Vacinação - São Paulo - SP

Perguntas Frequentes:

Quem deve se vacinar?

A vacina é recomendada para moradores ou pessoas que se deslocam para área com circulação do vírus no Brasil e aos viajantes para os países com risco de transmissão de Febre Amarela. No Município de São Paulo é recomendada para pessoas residentes nas seguintes áreas: Região Norte (Anhanguera, Tremembé, Jaçanã, Vila Medeiros, Vila Maria, Vila Guilherme, Casa Verde, Limão, Cachoeirinha, Brasilândia, Tucuruvi, Mandaqui, Freguesia do Ó, Pirituba, São Domingos, Perus, Jaguaré e em algumas localidades da Região Sul (Marsilac, Parelheiros, Jardim Ângela, Capão Redondo, Campo Limpo, Vila Andrade, Jardim São Luiz, Pedreira, Grajaú, Cidade Dutra, Socorro e Cidade Ademar), Região Oeste (Raposo Tavares), Leste (Cidade Tiradentes, Guaianases, Parque do Carmo, Cidade Líder, José Bonifácio, Iguatemi, São Rafael e São Mateus) e Sudeste (Jabaquara, Cursino, Sacomã).

Quem não pode tomar a vacina e/ou que tem restrições que precisam ser avaliadas?

  • Crianças menores de 9 meses
  • Gestantes
  • Mulheres amamentando crianças menores de 6 meses*
  • Pessoas com câncer em uso de quimioterapia e/ou radioterapia
  • Transplantados de órgãos sólidos e/ou medula óssea
  • Uso de corticóide com dose imunossupressora
  • HIV e qualquer doença imunossupressora
  • Medicamentos imunossupressores
  • Miastenia Gravis
  • Doenças do Timo
  • Lúpus
  • Doença de Addison
  • Artrite reumatóide
  • Alergia grave ao ovo e derivados da galinha,

*Mulheres que estão amamentando bebês com até 6 meses de idade e que residem ou circulam em área de recomendação da vacina contra a febre amarela, se houver a indicação da vacinação da mãe, o aleitamento deve ser interrompido por 10 dias. Essas mulheres devem procurar um serviço de saúde para orientação e acompanhamento a fim de manter a produção do leite materno. A mãe pode fazer a ordenha do leite, antes da aplicar a vacina, mantendo congelado por 28 dias em freezer ou congelador.

Posso apresentar reação após a aplicação da vacina?

Sim. A reação mais frequente é a dor no local de aplicação, que tem intensidade leve e moderada e pode durar 1 ou 2 dias. Outras manifestações, que são consideradas sem gravidade, são febre com duração de até 7 dias, dor de cabeça e dor no corpo. Essa é uma vacina das mais seguras e eficazes, entretanto, raramente reações graves tem sido notificadas.

ATENÇÃO! Outros cuidados!

Para pessoas não vacinadas contra a Febre Amarela ou que se vacinaram há menos de 10 dias, se precisarem visitar e circular nas áreas situadas no entorno (500 metros) dos Parques Anhanguera, Horto Florestal e Cantareira, recomenda-se o uso de repelentes, seguindo as instruções do fabricante, conforme o rótulo do produto.

O uso de repelentes também é indicado para os residentes dessas áreas que foram vacinados há menos de 10 dias, pois a vacina confere imunidade após esse período, bem como para pessoas que têm contra-indicação para uso da vacina.  No caso de crianças pequenas, cobrir berços e carrinhos com mosqueteiro

Link Adicional

Blog da Saúde - Ministério da Saúde

Fontes:
Bio-Manguinhos
Prefeitura de São Paulo
Governo do Estado de São Paulo

Comentários: