Header Ministério Pessoal

Ministério Pessoal

Curso Bíblico | Salvação - Texto

ESTUDO BÍBLICO
TEMA: SALVAÇÃO

 

Harmonia no universo

Deus é o criador, mantenedor e legislador de todo o universo. Desde a maior galáxia até o menor átomo, toda a natureza é regida por leis estabelecidas por Deus. Inclusive os seres inteligentes, estão sujeitos à lei do amor, que é o fundamento do governo de Deus.

Enquanto os seres criados livremente escolheram apreciar o caráter do Criador e prestar-Lhe obediência, havia paz e alegria por todo o universo.

Lei Divina : Ame a Deus sobre todas as coisas e ame o próximo como a ti mesmo.
 

O orgulho de Lúcifer

Entre os seres criados, o mais honrado por Deus e elevado em poder e glória foi Lúcifer. Ele era o primeiro dos anjos querubins cobridores, santo e incontaminado. [leia Ezequiel 28:12-15]

Embora favorecido por Deus, amado e honrado pela hoste angélica, Lúcifer corrompeu seu propósito quando, movido pelo orgulho, desejou supremacia.

"Seu coração tornou-se orgulhoso por causa da sua beleza, e você corrompeu a sua sabedoria por causa do seu esplendor." (Ezequiel 28:17)

Lúcifer não considerava as honras concedidas como um dom de Deus e tampouco sentia-se grato para com o Criador. Passou a desejar conquistar para si os serviços e homenagens oferecidos unicamente a Deus. Pouco a pouco, Lúcifer cedeu ao desejo de exaltação própria.

"Subirei aos céus; erguerei o meu trono acima das estrelas de Deus; eu me assentarei no monte da assembléia, no ponto mais elevado do monte santo. Subirei mais alto que as mais altas nuvens; serei como o Altíssimo" (Isaías 14:13-14)
 

Desafiando o governo de Deus

Deus advertiu Lúcifer quanto ao caminho que estava tomando. Mas a advertência feita com amor e misericórdia suscitou o espírito de resistência em Lúcifer, que permitiu prevalecer a inveja, tornando-se ainda mais decidido em seu propósito rebelde.

Lúcifer iniciou então uma campanha para espalhar descontentamento entre os anjos, tentando despertar desgosto em relação às leis que governavam os seres celestiais. Insinuava que as leis impunham uma restrição desnecessária. Argumentava que, sendo eles de natureza santa, deviam obedecer apenas suas próprias vontades.

Alegava que se fosse dado a ele mais poder e honra, promoveria tal liberdade para os habitantes do Céu, que alcançariam mais elevada existência. Alegava também que o propósito de Deus não era o bem estar dos seres criados, mas apenas a exaltação de Si próprio.

Em sua infinita sabedoria, Deus permitiu que Satanás (significa: opositor, acusador) levasse avante sua campanha, até que amadurecesse em ativa revolta. Isso era necessário para que sua verdadeira natureza e tendência pudessem ser conhecidas por todos.
 

A rebelião no céu

Para assegurar o princípio de liberdade, a submissão a Deus pelos seres criados tem que ser voluntária. Para isso, é necessária convicção sobre a justiça e benevolência de Deus.

Naquele momento os seres inteligentes do universo não estavam preparados para compreender a natureza do pecado (transgressão da lei) e suas consequências, pois o pecado nunca havia ocorrido e o caráter das leis divinas jamais havia sido questionado.

Portanto, se Deus destruísse Satanás e seus simpatizantes afim de cessar a rebelião, os demais seres não teriam visto neste ato justiça ou misericórdia de Deus. A influência dos enganos e dúvidas despertadas não seriam resolvidas e o espírito de rebelião não seria eliminado por completo. Os demais seres submeteriam-se a Deus por medo e não por amor, como exige o princípio de liberdade.

Para o bem de todo o universo através da eternidade, Satanás devia demonstrar seus verdadeiros princípios e propósitos de governo, para que as acusações contra o governo divino pudessem ser vistas sob sua verdadeira luz por todos, e assim para sempre postas acima de qualquer dúvida a justiça e misericórdia de Deus, além da validade de Sua lei.
 

O grande conflito

Obstinados e arrogantes em sua deslealdade, procurando em vão subverter o governo de Deus, Lúcifer e seus seguidores foram banidos do Céu.

"Houve então uma guerra no céu. Miguel [Cristo] e seus anjos lutaram contra o dragão, e o dragão e os seus anjos revidaram. Mas estes não foram suficientemente fortes, e assim perderam o seu lugar no céu. O grande dragão foi lançado fora. Ele é a antiga serpente chamada diabo ou Satanás, que engana o mundo todo. Ele e os seus anjos foram lançados à terra." (Apocalipse 12:7-9)
 

A rebelião na Terra

No planeta Terra, onde Satanás e seus seguidores foram confinados, havia um casal de seres humanos recém criados por Deus, santos e incontaminados, que moravam num belo jardim chamado Éden.

Numa atitude desesperada, Satanás possuiu uma serpente e posicionou-se numa determinada árvore que pertencia ao jardim. Esta árvore foi colocada por Deus no jardim para provar a obediência, a fé e o amor dos primeiros humanos Adão e Eva.

Satanás planejava induzir o casal humano a desafiar a autoridade de Deus, tal como ele havia feito no céu e conquistá-los para sua causa.

Para este fim, decidiu que o engano e a astúcia fariam o que a força ou o poder não conseguiriam.
 

Através de qual ordem Deus provaria a obediência de Adão e Eva?

[leia Gênesis 2:15-17]
 

Como os primeiros humanos desobedeceram a Deus?

[leia Gênesis 3:1-6]
 

Como Deus tratou a desobediência dos seres humanos?

[leia Gênesis 3:11-19]
 

O destino

O mesmo espírito que produziu a rebelião no Céu inspirou a rebelião na Terra. Satanás tem continuado com os homens a mesma estratégia que adotou em relação aos anjos. Procura derrubar as restrições da lei de Deus prometendo liberdade aos homens por meio da transgressão dos preceitos da mesma.

Os homens criados para viver eternamente, experimentando um relacionamento com Deus face a face, num mundo perfeito e deleitoso, agora conheceriam as consequências da desobediência à lei de Deus.

O pecado rompeu a conexão entre o homem e Deus. Antes criados à semelhança de Deus, fonte de vida, alegria e bondade, agora voltavam-se à morte, crueldade e desgraça.

A história humana comprovou que o coração indiferente à lei divina é orientado para o mal constantemente. É uma existência fadada à miséria, caos e morte.

"Pois o salário do pecado é a morte ..." (Romanos 6:23)
 

Como é o comportamento humano, motivado pelo pecado?

[leia Gênesis 6:5, Efésios 4:18, Jeremias 13:23 e Romanos 7:18-19]
 

Isso motivou Deus a deixar de amar o homem e abandoná-lo?

[leia Romanos 8:35-39]
 

Motivado pelo amor, o que Deus realizou para resgatar/redimir/salvar o homem pecador da morte?

[leia João 3:16-17, 1 Timóteo 2:5-6 e Romanos 6:23]
 

O preço da redenção

A lei divina, fundamental para a ordem e harmonia do universo, não pôde ser alterada para satisfazer a rebelião no céu e também não o poderia ser para resolver a rebelião na Terra ou livrar o homem das consequências do pecado.

O preço que a lei exige do pecador é a morte. E foi este o preço que Deus pagou pela redenção do homem! O próprio Deus deixou sua glória celestial e nasceu aqui como homem, afim de morrer no lugar do rebelde pecador para que este fosse re-estabelecido como filho de Deus e participante de Seu reino [leia João 1:1-4,14].

Enquanto viveu entre nós Jesus Cristo apresentou os princípios simples e justos do reino divino. Através da sua vida humilde e gentil, desvendava o caráter de Deus que fora mal compreendido pelos homens enganados por Satanás. Se entregou para sofrer a pior e mais humilhante morte, guardada para os piores criminosos da época. Morte por crucificação. [leia Mateus 26 e 27]

Ele sofreu a condenação que merecíamos, para que participássemos da vida que Ele merecia! Deus realizou a propiciação pelos nossos pecados ao cumprir Sua própria lei e reconciliar consigo o pecador.

"... Deus em Cristo estava reconciliando consigo o mundo ..." (2 Coríntios 5:190
 

Jesus pagou o preço

"Mas ele foi transpassado por causa das nossas transgressões, foi esmagado por causa de nossas iniqüidades; o castigo que nos trouxe paz estava sobre ele, e pelas suas feridas fomos curados. Todos nós, tal qual ovelhas, nos desviamos, cada um de nós se voltou para o seu próprio caminho; e o Senhor fez cair sobre ele a iniqüidade de todos nós. [...] Depois do sofrimento de sua alma, ele verá a luz e ficará satisfeito; pelo seu conhecimento meu servo justo justificará a muitos, e levará a iniqüidade deles. [...] Pois ele carregou o pecado de muitos, e intercedeu pelos transgressores." (Isaías 53:5-12)

"Vocês estavam mortos em suas transgressões e pecados, nos quais costumavam viver, quando seguiam a presente ordem deste mundo [...] satisfazendo as vontades da carne, seguindo os seus desejos e pensamentos. [...] Todavia, Deus, que é rico em misericórdia, pelo grande amor com que nos amou, deu-nos vida juntamente com Cristo, quando ainda estávamos mortos em transgressões [...] para mostrar, nas eras que hão de vir, a incomparável riqueza de sua graça, demonstrada em sua bondade para conosco em Cristo Jesus. Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem de vocês, é dom de Deus" (Efésios 2:1-8)
 

A justiça divina atestada

Durante o ministério terrestre do Salvador, foi desmascarado o caráter de Satanás, o grande enganador. A inveja, maldade, ódio e vingança, que se achavam contidos, foram claramente expostos no Calvário contra o Filho de Deus, enquanto o Céu todo contemplava a cena em silencioso horror.

Apresentava-se agora sem justificativa a culpa de Satanás. Viu-se que do mesmo modo como governou os homens, que estiveram sob seu poder, teria ele dominado os habitantes do céu, se lhe tivesse sido permitido. Pretendia que a transgressão da lei de Deus traria liberdade e exaltação; comprovou-se porém que resultava em escravidão e degradação.

Satanás acusou Deus de procurar a exaltação de Si mesmo, exigindo submissão e obediência de Suas criaturas, enquanto Ele não praticava abnegação alguma.

Viu-se agora que para a salvação de uma raça caída e rebelde, o Governador do Universo realizou o máximo sacrifício que o amor poderia efetuar. Enquanto Lúcifer abriu a porta para o pecado, pelo desejo de honras e supremacia, Cristo, para de destruir o pecado, Se humilhou e foi obediente até a morte.

Todos os seres atestaram a justiça divina, tanto na condenação de Satanás como na redenção do homem.

Assim, Deus é justo e justificador de todos os que creêm em Jesus.
 

Quais os requisitos para termos direito à vida eterna, pelos nossas decisões e atos?

[leia Lucas 10:25-28, Hebreus 12:14 e Apocalipse 2:10-11]
 

Temos obedecido a lei divina? Quantos foram considerados justos e merecedores da vida eterna?

[leia Romanos 3:10-12 e Romanos 3:19-23]
 

Culpados de desobediência e indignos da vida eterna, qual é nossa salvação?

[leia Atos 16:30-31, 1 João 5:11-13, Romanos 5:1-2 e Gálatas 5:4-5]
 

Além da fé em Jesus Cristo, do que o pecador precisa para ter seus pecados perdoados e ser salvo?

[leia Atos 3:19 e 1 João 1:9]
 

Uma vez salvos, estaremos salvos para sempre? Porque é necessário uma mudança no comportamento do pecador depois de receber a salvação?

[leia 1 Coríntios 10:12, Mateus 24:13, 2 Pedro 2:20-22 e 1 Pedro 1:16-23]
 

Quem pode interceder por nós diante de Deus? Quem realiza o trabalho de reconciliação entre o pecador e Deus? A quem devemos confessar nossos pecados e pedir perdão?

[leia 1 Timóteo 2:5, Atos 4:12 e Romanos 8:34]
 

Como a salvação será finalmente completada?

[leia Hebreus 9:27-28, Apocalipse 22:12, João 14:1-3 e Atos 1:9-11]
 

Se os salvos receberão a vida eterna, o que dizer dos que estão mortos neste momento?

[leia Oséias 13:14, João 11:25-26 e 1 Tessalonicenses 4:13-17]
 

Qual o destino das pessoas que não forem salvas? Como será executada a condenação sobre os ímpios?

[leia Mateus 25:31-34,41,46, Romanos 2:6-11, Apocalipse 20:12-15 e Salmos 37:9-11]
 

Quando Deus concluir o juízo final, erradicar problema do pecado e o mal já não existir, o que estará preparado para aqueles que forem salvos?

[leia Apocalipse 21:1-7,27 e Naum 1:9]
 

O fim do grande conflito

Quando ocorrerem estas coisas, terminado estará o grande conflito. Pecado e pecadores não mais existirão. O Universo inteiro estará purificado. Uma única palpitação de harmonioso júbilo vibrará por toda a vasta criação. Do Senhor soberano, criador e redentor, emanarão vida, luz e alegria por todos os domínios do espaço.

Desde o minúsculo átomo até ao maior dos mundos, todas as coisas, animadas e inanimadas, em sua serena beleza e perfeito gozo, declararão que Deus é amor.

"Ouvi todas as criaturas existentes no céu, na terra, debaixo da terra e no mar, e tudo o que neles há, que diziam: 'Àquele que está assentado no trono e ao Cordeiro sejam o louvor, a honra, a glória e o poder, para todo o sempre!'" (Apocalipse 5:13)
 

Recapitulação

Neste estudo bíblico, você aprendeu o seguinte sobre a salvação:
  • Enquanto a vontade de Deus, o criador de todas as coisas, era soberana e todos os seres seguiam a lei divina, o universo estava harmonia e ordem
  • Lúcifer, um anjo de luz perfeito, se tornou Satanás (o acusador e opositor) ao permitir que seu orgulho alimentasse seu desejo de exaltação própria
  • Foi preciso que Deus permitisse a rebelião de Lúcifer e seus simpatizantes, para que as acusações de Satanás fossem plenamente desmentidas e todos os seres do universo pudessem concordar com a justiça e o amor de Deus
  • Ao serem expulsos do céu, os rebeldes convenceram os primeiros humanos a duvidar do caráter de Deus e participar do conflito contra o governo divino
  • Embora inimigos de Deus por livre escolha, os homens receberam a chance de serem redimidos pelo sacrifício de Cristo
  • Enquanto viveu na Terra, Jesus apresentou o verdadeiro caráter de Deus e sua lei. Os homens enganados por Satanás agora conheceram verdadeiramente a Deus e podiam, mediante a graça de Deus, ser reconciliados com Ele e receber a vida eterna
  • Para sermos salvos precisamos: 1- Reconhecer nossos pecados e nos arrependermos 2- Confessar o pecado a Deus 3- Aceitar o sacrifício de Jesus para pagar nosso pecado
  • Após ser salvo pela graça de Deus, devemos abandonar a vida de pecado e viver uma vida santa, seguindo o exemplo de Jesus
  • Jesus voltará a este Terra para recompensar os salvos com a vida eterna e condenar os injustos à morte eterna
  • O mal não se levantará outra vez e os salvos viverão num ambiente puro e perfeito, junto dAquele que deu a vida por eles, enquanto ainda eram inimigos

Comentários: